Arquivo mensais:agosto 2013

9 palavras que você deve deixar de usar ao se descrever profissionalmente

Foto Destaque  

 

Em um currículo ou em uma entrevista de emprego, você deverá fazer uma boa descrição de seu perfil profissional para que os recrutadores percebam que devem considerá-lo para a vaga em questão. Para que você tenha sucesso nessas etapas, é importante que você saiba o que dizer e também o que deve evitar.

 

A seguir, confira 9 palavras que você deve deixar de usar ao se descrever profissionalmente:

 

1. Inovador

A maioria das empresas busca essa característica em um candidato. Ser inovador realmente é algo positivo para diversas áreas de sua vida. Porém, utilizar esse adjetivo para se descrever pode passar uma imagem errada, já que na verdade a maneira mais efetiva de comprovar esse fato é com ações. Por isso, se você considera suas ideias inovadoras, utilize exemplos que demonstrem essa qualidade.

 

2. Autoritário

Autoridade é algo que também não deve ser provado com palavras. Se você precisa dizer constantemente que é um bom líder, é provável que, na verdade, você não seja. Essa qualidade só pode ser provada na prática, portanto é importante que você evite esse adjetivo.

 

3. Criativo

Algumas palavras são usadas com tanta frequência que acabam perdendo o impacto. “Criativo” é uma delas. Mesmo que você realmente tenha essa característica, procure descrever tal qualidade de outra maneira, evitando soar clichê.

 

4. Guru

Tentar parecer mais inteligente pode acabar passando uma imagem contrária. Por isso, usar a palavra “guru” para se descrever pode acabar com sua credibilidade.

 

5. Impetuoso

Mesmo que você goste muito de alguma determinada função, dizer que é apaixonado por alguma atividade pode fazer você parecer desesperado. Por isso, procure demonstrar essa característica dizendo apenas que você tem facilidade com determinados cargos, mas evite dizer que é impetuoso.

 

6. Único

Dizer que você é único em uma descrição profissional sobre você não é adequado. Por isso, mostre que seu trabalho é melhor que a concorrência e assim você ganhará credibilidade.

 

7. Incrivelmente…

Utilizar “incrivelmente” antes de outro adjetivo para se descrever pode soar imaturo, além de ser exagerado. Não diga que você é “incrivelmente capacitado”, por exemplo.

 

8. Empreendedor em série

Começar um negócio após o outro porque o primeiro não funcionou não faz de você um empreendedor em série. Pessoas que conseguiram obter sucesso com suas criações podem utilizar esse adjetivo. Se você ainda não alcançou esse nível, evite tal descrição.

 

9. Estrategista

Poucas pessoas são realmente estrategistas. O fato de você ter algumas boas ideias não classifica você como um e é por isso que você deve evitar essa palavra.

EMPRESAS MULTINACIONAIS CONTRATAM

OPERADORA MULTIFUNCIONAL: Feminino, ensino médio completo, com vivência em produção, com disponibilidade para trabalhar 1º e 2º turnos , inclusive aos sábados.

AUXILIAR DE PRODUÇÃO / SERIGRAFIA  Feminino, ensino médio completo, com vivência em SERIGRAFIA , para trabalhar 1º e 2º turno, inclusive aos sábados .

AUXILIAR DE PRODUÇÃO : Masculino, ensino médio completo, com vivência em produção em AUTOCLAVE , para trabalhar 3º turno.

 

Bancos começam hoje a alimentar cadastro de bom pagador

 

Foto Destaque 

 

  Bancos brasileiros começam a alimentar hoje o chamado Cadastro Positivo, banco de dados que vai reunir o histórico dos pagamentos feitos em dia por consumidores -como empréstimos, crediários e até contas de consumo, como água e luz.
A perspectiva é que esse cadastro ajude os bons pagadores a conseguir juros menores em compras e financiamentos. A implementação segue cronograma do CMN (Conselho Monetário Nacional), que regulamenta o sistema, criado em 2011. Administradoras de consórcio conseguiram prorrogar o prazo para começar a enviar os dados para junho de 2014.
Na prática, porém, ainda vai levar algum tempo para que o instrumento possa beneficiar os consumidores.
De acordo com Ricardo Loureiro, presidente da Serasa Experian, uma das empresas de informações financeiras que vão operar o novo cadastro, deve levar seis meses para que seja possível produzir avaliações sobre o perfil de crédito dos clientes.
“É preciso ter uma base de dados relativamente grande”, disse Loureiro. “Cerca de 1 milhão de consumidores já autorizaram a abertura do cadastro na Serasa, o que é um número pequeno.”
Para Dorival Dourado, presidente da Boa Vista, outra empresa de informações financeiras que vai operar o banco de dados, são necessários cerca de três anos para que benefícios sejam percebidos -mesmo horizonte previsto pela Febraban (Federação Brasileira de Bancos).
O consumidor que quiser autorizar sua inclusão no cadastro pode procurar tanto a instituição financeira na qual tem conta quanto as empresas gestoras de banco de dados como Serasa Experian, Boa Vista e SPC Brasil.
Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da Proteste, associação de defesa do consumidor, porém, afirma que ainda não há clareza sobre as regras de compartilhamento das informações.
“O consumidor não tem segurança sobre se seus dados serão vendidos a empresas interessadas, por exemplo.”
Fonte: Folha de S. Paulo